domingo, 12 de fevereiro de 2012

"Caixa preta"

Filmes que retratam o universo paranóico da mente humana, seja com delírios narcóticos ou pela insanidade mental, sempre me interessaram. O cinema já explorou bem essa temática e quando a produção e o roteiro são bem feitos, como o francês “Caixa preta”, o assunto é ainda mais atraente e curioso.

Depois de um acidente de carro, um homem profere frases incoerentes quando está no coma. Após acordar algumas horas depois no hospital, Arthur (muito bem interpretado por José Garcia) recebe de uma enfermeira um caderno com anotações de suas estranhas palavras e decide investigar o que havia dito em seu leito hospitalar, o que culmina em um perigoso exercício de autoconhecimento.

O tom paranóico é justamente as tais frases que remete o protagonista a um fato importante não resolvido em seu passado. O visual interessante e o bom roteiro, baseado na obra de mesmo nome de Tonino Benacquista, trabalham de forma eficiente a complexidade da psique fazendo com que o espectador entre na enigmática realidade do personagem principal.

A trama é dividida em duas partes: a primeira mostra as alucinações de Arthur, flash backs de sua infância e a frenética busca de informações; na segunda metade, as ‘peças de seu delírio’ vão se encaixando até que surge o clímax magistral, que coloca ainda mais mistério em relação a sua realidade.

Provavelmente, muitos vão interpretar o filme de diversas maneiras. E fazer pensar é o papel do longa que traz reflexões e conceitos sobre as verdades do subconsciente humano (ego, superego e como nos apresentamos no mundo) que são guardados em uma misteriosa e obscura ‘caixa’.

Caixa Preta (La Boîte noire)
FRA, 2005 – 87 minutos
Drama / Suspense
Direção: Richard Berry
Roteiro: Eric Assous e Richard Berry
Elenco: José Garcia, Marion Cotillard, Michel Duchaussoy, Bernard Le Coq, Héléna Noguerra, Gérald Laroche, Marysa Borini, Nathalie Nell, Lise Lamétrie.
Trailer: clique aqui
Cotação: * * * *