quarta-feira, 28 de março de 2012

Contágio

Epidemias virais fazem, ou tem feito, mais sucesso no gênero terror. Vírus mortal que transforma pessoas em zumbis é o principal argumento para críticas sociais ao 'sistema'. No campo dramático, o melhor filme sobre essas críticas em cenário apocalíptico é “Contágio”, que encena o caos mundial de forma realista e repleta de mistério e conspiração.

Dirigido por Steven Soderbergh, “Contágio” tem uma estrutura narrativa já bastante utilizada no cinema, o de reunir várias tramas que se interligam por um mesmo tema (numa pegada semelhante, o cineasta já havia feito o excelente “Traffic”). Há diversos dramas que mostram diferentes pontos de vista sobre uma epidemia viral no planeta: médicos que vivenciam o caos; pai de família imune que perde a mulher e protege a filha; cientistas em busca da origem da contaminação e da cura; jornalista que investiga os bastidores dessa pandemia e as ações políticas das autoridades.

O roteiro de Scott Z. Burns faz uma alusão aos recentes surtos de gripes suína e aviária que preocupou a população mundial por causa das várias mortes relacionadas a essas doenças. Em "Contágio", esse panorama foi colocado em um nível catastrófico muito bem ensaiado por Soderbergh, que conseguiu criar, por meio da fotografia melancólica e enquadramentos de câmera detalhistas, uma atmosfera extremamente densa, alarmista e desesperançosa.

Além de sugerir convincentes situações de emergência, principalmente nas ações das  autoridades, nos procedimentos científicos e nos comportamentos sociais frente ao caos, a figura do jornalista interpretada por Jude Law é a mais interessante delas. Essa história é a responsável ao dar o tom crítico ao longa por valorizar e expor intrigas que geram conspirações contra o sistema político controlador em relação aos acontecimentos.

O restante das pequenas tramas, que também são bem conduzidas e interpretadas por atores consagrados, apenas serve para enriquecer o tenso cenário do desespero, do confinamento e da anarquia diante de milhões de mortes. Apesar do tratamento brando de alguns detalhes, como no curto tempo decorrido para as soluções (em proporções apocalípticas seriam anos ao invés de meses) e no clímax ameno e pouco político, “Contágio” faz refletir sobre o quanto que a humanidade está despreparada para qualquer tipo de pandemia.

Contágio (Contagion)
EUA, 2011 - 106 minutos
Drama / Suspense
Direção: Steven Soderbergh
Roteiro: Scott Z. Burns
Elenco: Matt Damon, Kate Winslet, Jude Law, Marion Cotillard, Laurence Fishburne, Gwyneth Paltrow, John Hawkes, Demetri Martin, Bryan Cranston, Elliott Gould
Trailer: clique aqui
Cotação: * * * * *