sábado, 27 de abril de 2013

Tron: o legado

Visionário. Esse foi o rótulo que “Tron: uma odisséia eletrônica”, de Steven Lisberger, ganhou em 1982 por se tornar um filme cult e visualmente ousado em sua época. Vinte e oito anos depois, “Tron: o legado”, ao mesmo tempo que é uma continuação por evoluir alguns detalhes narrativos é, também, uma reinvenção (superior ao seu antecessor) do conto de ficção.
 
O filme esclarece, logo nos primeiros minutos, algumas dúvidas que ficaram soltas no clássico e faz um apanhado geral da história, o que torna esta nova versão mais digerível sem a necessidade de rever o original. É curioso vermos a idéia de mundo virtual 17 anos antes do badalado “Matrix”.
 
A narrativa mostra Sam Flynn (Garrett Hedlund), filho do fundador de um poderoso império de games e softwares, que descobre um sistema criado pelo pai por meio de um antigo fliperama com o nome Tron. Ao ‘fuçar’ no tal sistema, Sam entra em um universo cibernético e reencontra seu pai Kevin Flynn (Jeff Bridges), desaparecido há 20 anos.
 
“Tron: o legado” mantém a alma, o convencionalismo temático (a busca pela perfeição e ‘bem versus o mau’) e a trama semelhante ao do longa oitentista. Entretanto, esta versão, assim como a anterior, também se atrapalha ao ter um fraco roteiro, o que prejudica o desenvolvimento de personagens e na condução da premissa, que ainda deixa muitas interrogações no ar.
 
Tecnicamente, “Tron: o legado” é uma experiência visual muito bem sucedida, estilosa e com cenas de ação bem dirigidas por Joseph Kosinski, que explorou bem os ótimos efeitos em CGI (inclusive, o vilão tem o rosto de Jeff Bridges rejuvenescido pela computação gráfica). Destaques para a trilha sonora do grupo Daft Punk, das cenas dos jogos com discos luminosos e perseguições entre veículos que deixam rastros de luz.
 
Tron: o legado (Tron Legacy)
EUA, 2010 – 127 minutos
Ficção Científica
Diretor: Joseph Kosinski
Roteiro: Edward Kitsis, Adam Horowitz
Elenco: Jeff Bridges, Olivia Wilde, Garrett Hedlund, Michael Sheen, Serinda Swan, James Frain, Bruce Boxleitner
Cotação: * * *