segunda-feira, 22 de abril de 2013

Planeta dos Macacos: a origem

“O Planeta dos Macacos” (1968) é um dos marcos da ficção científica justamente por ser ousadamente apocalíptico com inversões de valores e metáforas sociais curiosas. Seu sucesso rendeu cinco continuações inexpressivas. O sexto longa da franquia, “Planeta dos Macacos: a origem”, que é uma espécie de refilmagem de “A Conquista do Planeta dos Macacos” (1972), resgata outra vez a teoria da evolução primata e mostra de maneira interessante os primórdios da dominação símia sobre o homem.

O bom roteiro investe na linha narrativa ‘como tudo começou’, expõe uma premissa convincente e acerta na inserção de gêneros. A ficção é tratada como detalhe premonitório e científico (busca para cura do alzheimer), os dramas são construídos a partir do elo entre os personagens (macaco-homem-doença), há o suspense sobre ‘experiência com resultados inesperados’ e, por fim, a ação na dominação primata.

O elemento que poderá incomodar quem for levar a história a sério é sobre a interação da inteligência dos macacos que ficou rápida e pouco persuasiva, ao contrário da relação afetiva e de adestramento do protagonista símio César com seu dono que ficou bem trabalhada. A tragédia química é vista com bons olhos sobre a lógica da trama, o que propicia o desenvolvimento mental dos primatas e uma epidemia viral que extermina o homem o que, consequentemente, facilita o ‘imperialismo símio’ na Terra.

Se a estrutura narrativa surpreende pela coerência, “Planeta dos Macacos: a origem”, infelizmente, carece de uma direção mais carismática. O diretor Rupert Wyatt foi burocrático ao extremo e demonstrou pouca criatividade e quase nada de emoção. Por outro lado, Wyatt soube trabalhar, sem extravagâncias, com os bons efeitos visuais (os macacos estão reais) e, sobretudo, equilibrou bem as ações e ritmos do filme.

Ainda que não tenha tantas metáforas sociais como no clássico, “Planeta dos macacos: a origem” entretém com eficiência, mas fica a sensação de faltar algo mais empolgante ou algo que faça do filme ser tão espetacular como sua premissa. E podem aguardar continuações, pois o ‘final sem fim’ sugere uma guerra para mostrar cada ‘homem em seu galho’.

Planeta dos Macacos: a origem (Rise of the Planet of the Apes)
EUA, 2011 - 105 minutos.
Ficção científica / Drama / Suspense / Ação
Direção: Rupert Wyatt
Roteiro: Rick Jaffa, Amanda Silver
Elenco: Andy Serkis, James Franco, Freida Pinto, Brian Cox, Tom Felton, David Oyelowo, Tyler Labine, Jamie Harris, David Hewlett, Ty Olsson
Cotação: * * * *